Notícias

O Baile de São Valentim

O baile mais romântico do ano voltou à Freguesia de Santo António na noite de 17 de fevereiro.

À entrada do Cineteatro Capitólio (Parque Mayer), onde decorreu pela primeira vez o Baile de São Valentim, um caderno convidava a uma dedicatória. Entre muitos agradecimentos, encontrámos Palmira a escrever, minutos antes de entrar: “Boa noite de São Valentim. Obrigado pelo convite e divirtam-se muito”.

Às 21h30, o Presidente Vasco Morgado abriu as portas do amor, dando as boas vindas às centenas de pessoas que, numa noite agradável, vinham para se divertir.

E minutos depois era possível ouvir do palco: “Olá somos os The Jukeboxers e estamos dispostos a animar a vossa noite de São Valentim”. Uma promessa cumprida por esta banda de tributo que proporcionou uma viagem aos hits das décadas de 50, 60 e 70.

Elvis Presley, Little Richard, Jerry Lee Lewis, James Brown, Ray Charles, passando também por temas dos filmes Pulp Fiction e Dirty Dancing, envolveram o público numa viagem nostálgica e dançante.
Como foi o caso de Lurdes Maneta que recordou “os tempos de menina, em que comemorávamos estes momentos em que os bailes eram maravilhosos”. E este baile não foi exceção pois “dancei, pulei, diverti-me, trouxe amigos, foi uma noite muito bem passada e extraordinária”.

A noite foi ainda abrilhantada com a decoração a rigor. Velas, balões em forma de coração, passadeira vermelha e ainda a possibilidade de eternizar a noite com a melhor posse e adereço, através do Photobooth.

Nesta que foi a quarta edição, com entrada livre, o baile mais romântico do ano manteve o seu objetivo: reunir amigos, familiares, para que ninguém fique em casa e todos se divirtam. E foi o que fez Isabel que, aos 74 anos nunca tinha vindo ao baile da freguesia, e no final deixou-se contagiar pela rebeldia do “Rock ‘n’ Roll”, tal como afirma.

“Dancei toda a noite mesmo sem uma perna. Já há muito tempo que não dançava. E não sei como aguentei. Mas a música estava muito boa, levou as pessoas a dançar. Faz bem ao corpo e ao espirito, porque as pessoas divertem-se, saem de casa. Adorei”.

Uma viagem no tempo que ajudou a reunir fregueses e amigos para celebrarem o amor e a amizade.